domingo, 28 de junho de 2020

Admirável Mundo Novo

Jovem consciente com mascrinha e alquinho. (Foto de Gustavo Fring no Pexels)


Oh, Admirável Mundo Novo em que vivem tais pessoas.
- Miranda em A Tempestade, de William Shakespeare

Esta postagem complementa meu Diário de Quarentena. Seriam novas páginas do diário. Contudo, nunca fiquei em isolamento. Então seria "diário durante a quarentena alheia". Pois o brasileiro continua qual gado, percebo: confina, desconfina. Por enquanto ainda rola quase dois paus de auxílio emergencial por família e está de boa. Mas quando a ração acabar... Nosso poder público realmente subestima os riscos do caos social e econômico.

Não por acaso, o título para esta postagem remete à obra de Aldous Huxley. Seria uma mera distopia se não estivesse tão próxima. Recomendo a todos a leitura deste romance, ao lado de 1984 e d'A Revolução dos Bichos de George Orwell bem como O Senhor das Moscas de William Golding.

Em Huxley, o Estado detém controle absoluto sobre sua vida. Não acerca de suas relações familiares, porque não existe prole naturalmente, mas apenas gerada em tubos de ensaio. Nos campos de educação do Governo, crianças são erotizadas em tenra idade. Todo o conhecimento clássico foi banido e o grande vilão da trama é um selvagem erudito, profundo conhecedor de Shakespeare (cristão monarquista) e da Bíblia. Os nomes dos cidadãos são dados em homenagem aos fundadores desse brave new world: "Lenina" é um deles, por exemplo.


Cotidianamente, caminhamos para esse império global previsto há décadas. No momento, para implantá-lo e a plenos pulmões, há o establishment progressista global, um mundo sem fronteiras gestado por organismo internacionais, partidos nacionais imbuídos por ideologias macabras e as maiores fortunas do planeta injetando bilhões por dia neste afã. A única opção contrária é rejeitar integralmente tudo isso, sem delírios sobre parcimônia e equilíbrio entre agendas conflitantes. Enfim: não me estenderei sobre isso. Quem quiser compreender melhor este ponto de vista, recomendo postagem recente: Pandemia e o mundo segundo Tio Patinhas.

E vamos lá... Esses dias foram movimentados em meu cotidiano e no mundo.

Já mantive plantel de galinhas, em casa, com quase setenta aves. Me rendiam em torno de trezentos ovos caipiras ao mês, além dos ovos destinados à reprodução. Contudo, decidi removê-las para a roça da minha sogra devido ao trabalho excessivo e porque queria o espaço para outros empregos. Nestes dias, voltei a me dedicar à criação de animais, mais para porcos, diante da grande quantidade de carne e gordura obtidas. O couro suíno também é ótimo alimento, seja grelhado junto à carne (pururuca) ou cozido em feijão. Porcos de algumas raças chegam facilmente aos duzentos quilogramas. Contudo, estou apostado no caipira. Resumidamente, trata-se de um vira-lata: come de tudo, pode pastar à vontade e quase não adoece. Estou nessa empreitada com a sogra. O custo é muito baixo, quando temos espaço para pasto. Sim, porcos e galinhas também pastam. Damos restos de alimentos, farelo (cuim de arroz), milho e, se possível, soro de leite (raramente e dependendo do acesso e do preço). Apostar em “comida viva”, nestes tempos, é o melhor caminho.

Ando retornando aos meus projetos de horta. Estou com tudo pronto. No entanto, mantenho as sementes guardadas porque ainda não é o melhor momento. Há muita oferta de folhas e legumes por aqui. Torço para que continue assim. Mas, claro, em matéria de sobrevivencialismo, não podemos apenas torcer. A dúvida é se farei horta suspensa ou diretamente no chão. A primeira ideia é a melhor e a comumente praticamente onde moro.

Continuo correndo todos os dias. Às vezes, mais de uma vez por dia. mantenho o ritmo e sigo surpreso por conseguir retomar todo o meu condicionamento em corridas ao ar livre, após tanto tempo só treinando em academia. Acredito que nem tão cedo os governos locais permitirão a reabertura plena de academias, na maioria das cidades. Penso em adquirir estação de musculação. Veremos.



Joguei muita coisa tanto em PS4 quanto no XBox. Gostei bastante de Resident Evil 2 (remake) e 4 (remasterizado). Confesso que realmente me assustei no primeiro e me diverti bastante com o ritmo deste último. Gostei tanto que comprei o remake do terceiro (o qual ainda não joguei). Recordo de um primo bem mais jovem do que eu rodando o quarto no PS2. Ao jogar e morrer tantas vezes, tendo de retornar lá longe, onde salvei na "máquina de escrever" (artifício para guardar o progresso), lembrei dos arcades com ficheiro que tanto joguei quando criança, quando a Capcom era mestre em papar fichas arbitrariamente.

O dito acima é basicamente o que ando fazendo no campo de vida pessoal. Além disso, também estou trabalhando normalmente, dentro do possível. Felizmente, o serviço anda em dia e nada está represado. Alguns colegas de outras unidades estão sob a cama, enriquecendo ilicitamente e, certamente, terão muito serviço acumulado após o retorno. Sim, porque voltaremos à nossa atividade a fórceps. E, neste meio tempo, o que fizemos? Ficaremos na História como vítimas do maior engodo global. Camundongos no maior experimento globalista de condicionamento social. Antas de todos os credos, raças e gêneros, mascarados, submetendo-se ao risco de uma hecatombe socioeconômica devido a achismos de um organismo internacional sombrio e escuso: Organização Mundial da Saúde; basicamente, uma “OrCrim” (Organização Criminosa).



Falando nisso, durante esses dias, descobrimos que a OrCrim mentiu sobre as pesquisas que endossou a respeito do uso da hidroxicloroquina. Mentiu deslavadamente. Não vou me estender tanto sobre isso. Em poucos minutos, Fernando Conrado fez um “apanhado” jornalístico sobre tudo. E não dá para refutá-lo, colega. São fatos. E, logo após, sobrevivemos à peste negra (coronavírus?), para ver que a OMS mentiu novamente, quando sufocou vozes dissonantes que, há meses e meses, insistiam que quarentena horizontal não é a solução. Aliás, pessoas assintomáticas raramente conseguiriam transmitir o vírus. Logo, passaram a advogar a quarentena vertical. E o Bonoro é que era doido!

E vivemos, igualmente, para ver, em meio a toda essa zona, nosso Presidente da República, num estrondoso vídeo secreto vazado por nossa Suprema Corte, conspirando em prol de nossa liberdade, de nosso sagrado direito de ir e vir sem sermos algemados e jogados ao chão pelas polícias e guardas civis. Curiosamente, às portas fechadas, o Presidente da República trama com seus Ministros para que as promessas de campanha sejam cumpridas. Onde já se viu isso? Um Chefe de Estado quebrando a tradição de mentir ao eleitorado. E, falando em Supremo Tribunal, onde os Supremos reinam (palavras de Gilmar Mendes), descobrimos, pela boca de Barroso, que o Presidente da República deve cumprir ditames da OMS (a OrCrim), sob pena de crime de responsabilidade. Já folheei a Constituição da República acerca disso e ainda não encontrei. Mas, se tratando de OrCrim que frauda e divulga estudos fraudulentos, normal o apoio de nossa Corte de Supremos.

Os maiores bilionários do planeta se tornaram, apenas nos EUA, 434 bilhões de dólares mais ricos durante esta "pandemia para trouxas". É o metacapitalismo que odeia liberdade de mercado e promove a todo custo a quebradeira entre pequenos e médios empreendimentos, acabando com os riscos da concorrência. Há quinze anos, Olavo de Carvalho nos apontava o fenômeno em artigos no Jornal do Brasil. As maiores fortunas da Terra unidas a Governos globalistas e aos organismos multinacionais para impor agendas aos cidadãos e moldar estilos de vida e, sobretudo, de consumo. Jeff Bezos, Bill Gates e Mark Zuckerberg não promovem o #FicaEmCasaJumento à toa, ou porque estão preocupados com sua saúde. Mas, sim, porque você verterá bufunfa e, sobretudo, poder para suas corporações.

Enquanto rola essa merda toda, Prefeitos enriquecem. Governadores correm para construir búnqueres onde guardarão tanta grana roubada. Jornalistas pagam atores para enfrentar policiais com tubos grosseiros de sangue falso. E os blogueirinhos isentões e progressistas ainda pensam que nosso problema é o Bolsonaro, que vai se mostrar o único que acertou nesse imbróglio todo e, talvez, do fundo da vala, ainda saia por cima da carniça. E, sim, acertou. Veja bem, caro mancebo: daqui a pouco, todos estarão nas ruas vendendo, comprando, produzindo, contratando prostitutas e enchendo a cara. Em minha cidade, estão assim há alguns dias. Alguns morrendo devido à Covid-19 e outros devido à unha encravada, que serviu de porta de entrada para infecções diversas. Porque assim é a vida, Charlie Brown.

Falando em governantes espertalhões, vimos a enxurrada de ações do Ministério Público Federal no Covidão. Prefeitos e Governadores pegos em flagrante com milhões de reais em dinheiro vivo dentro de suas casas ou em poder de seus asseclas. Todos os ardorosos advogados de lockdown são corruptos. E ainda ficou de fora a bufunfa impossível de ser auditada, pois alegam seu emprego em insumos consumíveis ou descartáveis (álcool em gel, máscaras, luvas e capotes).





Ando lendo e relendo bastante Disney esses meses e me deparei com a ótima O Tesouro dos Dez Avatares, do fantástico Don Rosa. Nela, o velho sovina pretende descobrir a mítica Shamballa para explorá-la comercialmente, gerando empregos para a região paupérrima e, claro, lucros para si. Mas ele topa com o Marajá local, avesso à ideia. Ele não quer seu povo trabalhando e prosperando, em busca dessa coisa tal vil quanto o dinheiro. Ele quer todos na miséria, pois assim mantém seu poderio dando esmolas e, quando possível, recebendo ajudinhas externas. Você acha mesmo que Prefeitos e Governadores se preocupam com nossa saúde? O Gestor quer sua lojinha falida. Você e seus empregados, antes homens livres e donos de si, agora precisarão ir às portas das prefeituras pedir cestas básicas, tubinhos de "alquingel" e vouchers para comprar gás de cozinha. Caia na real, pequeno mancebo. Nem a OrCrim-OMS se importa com sua saúde, quanto mais prefeitozinhos.

Os dias continuaram loucos, porém normais, onde Olavo de Carvalho continua a ser difamado por trinta segundos de vídeo, por pessoas que nunca leram nada dele. Falando no Olavão, sempre irei meditar bastante antes de qualquer ataque que possa emitir. Até mesmo antes de eventual crítica. Tenho gratidão por cada sugestão de leitura que me foi dada por ele, de Viktor Frankl a Ortega y Gasset, onde abri minha visão de mundo (especialmente de geopolítica) mais do que lendo trocentos livros obrigatórios durante toda a minha vida. Com O. de C., aprendi que, entre a Teoria da Conspiração e a da Mera Coincidência, talvez seja melhor dar mais atenção à primeira hipótese. E não é que, esses dias, também nos chegou a célebre palestra com Fernando Haddad onde ele admite que a Open Society financiada pelo metacapitalista George Soros orienta as políticas públicas "positivas" (cracolândias, abortos indiscriminados, feminismo sexista etc.) capitaneadas entre petistas (comunistas) e tucanos (fabianistas)? E seria "teoria da conspiração", hein.

Sem surpresa alguma, vi Gabinetes do Amor, no Congresso, serem pegos com a boca na botija, em horas de áudios, tramando a criação de contas, com dados roubados, para criar fake news contra o Gabinete do Ódio e a turma do mal apoiadora do Governo. Aliás, os mesmos gabinetes que iniciaram procedimentos contra... fake news. E nada aconteceu. Agora, imaginem por um minuto se um terço dessas conversas viessem de algum Parlamentar governista.


Ainda ressurgiram os super ciberpiratas do Anonymous, que revelaram ao mundo o nome completo de Bolsonaro e seu cartão de crédito com compras da esposa. Sim, só isso mesmo de concreto. O restante é "achismo".




Já um pouco bestificado, vi o ato de beber leite em apoio aos produtores rurais como simbologia nazista (porque leite é branco, estão ligados, né?) e a bandeira da Ucrânia ser elevada a nazismo. Ainda esta semana, no Canal do Boi (sim, eu o assisto), vi entrevista com a Ministra da Agricultura onde, sobre sua mesa, estavam laranja e copo de suco da mesma fruta, em apoio à agricultores. Seria ela uma laranjista?

Em minha minúscula cidade, houve movimento #BlackLivesMatter, com todos devidamente caracterizados: camisetas negras no melhor estilo de milícia fascista italiana, rostos bem cobertos, tacos de beisebol, martelos e outros apetrechos de paz e amor. A manifestação ocorreu após a execução de um homem negro, dentro da cidade, após ter fugido da Polícia Rodoviária Federal. Só que, no dia seguinte, a instituição informou que o autor do disparo (jovem com 23 anos de idade, despreparado), é negro e, aliás, ingressou no órgão dentro das cotas destinadas a afrodescendentes. Mas sem problema. Aí o movimento continuou com seu ativismo, mas chamando o policial de capitão do mato. É o que sempre digo: qualquer pessoa acima dos vinte anos de idade que leve movimentos esquerdistas a sério possui, necessariamente, problemas mentais. Aproveito para recomendar aos amigos o excelente Pastoral Americana.




Enfim: continuo delirando, tocando a vida enquanto vivo, temendo organismos internacionais e metacapitalistas (como bom conspiracionista que sou) e, acaso adoeça, tomarei cloroquina ao invés de tubaína.

E, para fechar com chave de ouro: semana passada flagrei um ex-estagiário, ardoroso defensor do #FiqueEmCasa, jovem aguerrido "das esquerdas", guerreirinho da Justiça Social, bebendo num barzinho com a galera. Além dos engrupidos, temos os hipócritas. E o show de hipocrisias não para por aqui. Estupefato, descobri que uma amiga de trabalho (muito bem de vida, aliás), ardorosa defensora do #FicaEmCasaPorra, manteve a construção de um imóvel seu sem qualquer interrupção. Aliás, a obra andou a todo vapor. Aumentaram o número de pedreiros: todos aglomerados e sem focinheira, suados qual porcos sob o escaldante sol do semi-árido.

Mas o que seriam casos como os acima narrados perto de celebridades como o ativista Fábio Porchat, que mente em suas lives informando estar "quarentenado" e, milagrosamente, perdendo até mesmo peso com dietas e treinos caseiros, quando é flagrado, na verdade, correndo todos os dias, sem máscaras, nas ruas? Ou o Governador de Santa Catarina, aglomerado em meio a centenas de pessoas num hotel fazenda, curtindo os festejos juninos sem máscara? A elite progressista é isso: te mantém em casa com focinheira para que, assim, possam curtir a vida com segurança em locais públicos, sem riscos de contaminação junto ao populacho.


Passei um mês sem postar nada aqui. A partir desta semana, ingresso de férias e me dedicarei a cuidar mais da casa, ler bastante, ir à roça, cuidar de perto de porcos e galinhas (embora não precise tanto, pois a sogra dá conta), dentre outras coisas. Possivelmente, será outro mês ausente daqui.

Abraços sanitizantes e até a próxima.


Consumidos durante esta postagem: bolo de milho com Fanta e um Chococino.

10 comentários:

Fabiano Caldeira disse...

Pelo andar da carruagem, essa quarentena ainda levará um tempo para acabar. Cuide de suas coisas, cuide do que é teu. Não porque precisa, mas porque você é teu. O olho do dono é o que engorda o porco.
E se prepare, pois, enquanto tudo parece parado, a cambada do congresso já vai fazendo altos planos para retomada da economia na forma de tributos e sacrificando todo mundo. Aguarde e verá.
Um abraço e se cuide.

Blogue do Neófito disse...

"essa quarentena ainda levará um tempo para acabar"

Certamente. Só acabará quando a miséria chegar a todos, e não apenas aos pobres que, aliás, sempre viveram mesmo na miséria então não mudou muito para eles. Mas está subindo à classe média e em breve deixará servidores públicos sem graninha. Aí, talvez, as pessoas retornem à vida.

Abraços e cuide-se tb.

Pateta disse...

Não tem nada melhor que a banha e o torresmo extraídos de um autêntico porco caipira, o nosso caboclo "Piau", cevado no milho. O bicho tem pouca carne mas o sabor dela regado com um limão caipira (cravo) é inigualável. Nas horas de ócio, jogando TLOUII sem grandes espantos com os gráficos ou outros aprimoramentos - a plataforma já alcançou o máximo em RDRII penso eu - mas a história continua me emocionando mesmo com os chavões. Abraço!

Blogue do Neófito disse...

O piau é bem comum e até mesmo por aqui, acho. Na verdade, como mantenho mais contato com pequenas criações familiares, noto que todas as criações são, na verdade, um grande raceamento de vários tipos e seja o que Deus quiser. Noto bastante algo similar ao canastra.
Comprei TLOUII mais por amor aos personagens e sei que terei algumas decepções. Contudo, tb acredito que terei boas horas de entretenimento. Comprei o steelbook na pré venda e ainda sequer me enviaram. Houve atraso nessas edições físicas especiais. Mas ok. Há tanta coisa ainda para se jogar que tô de boa.
Acho que veremos algo similar a RDRII apenas quando lançarem RDRIII. Se bem que não entendo tanto de games para estar dando pitacos sobre isso e, claro, a próxima geração de consoles vai nos surpreender, especialmente no preço!!!
Abraços, Pateta!!!
Ando pensando em comprar um daqueles retro consoles. Na verdade, uma raspberry pi dentro de uma caixinha com um cartão sd de 64 gb. Ou então um arcade para recordar a infância bem gasta e perdida em fliperamas.

Scant disse...


"estação de musculação" - acho que se precisa de bem menos hoje: https://www.instagram.com/p/CCRP-1gBj2_/ ( banco regulável, 1 par de halteres, 1 barra média de 10k 🙂🙂🙂 cerca de 60k em pesos.)

"política" - são tantas mentiras o tempo todo que já desisti de tentar descobrir quem tá falando a verdade, mas a corrupção continua faturando

"horta" - depois fala da implementação.

"galinhas" - 70 galinhas é coisa pra caramba. devia dar muito trabalho

abs!

Blogue do Neófito disse...

Fala, Scant.

"acho que se precisa de bem menos hoje"
E vc tem razão. Dá para treinar facilmente com poucos recursos. É que a gente quer equipamentos, máquinas e mais máquinas. De qualquer forma, me preocupo um pouco com ergonomia e treinar com peso livre é meio complicado para mim, que não possuo essa prática e posso acabar fazendo merda. Obviamente, com Youtube, dá para evitar erros.

"desisti de tentar descobrir quem tá falando a verdade"
Não desista de compreender o mundo à sua volta, jovem. Os fatos estão aí. Você vê a atuação da Open Society, como mencionei acima, por exemplo, e não há como se questionar: "Mas será"?. É como em Arquivo X: a verdade está lá fora, escancaradamente exposta, parafraseando o Cigarette Smoking Man.

"devia dar muito trabalho"
Dava devido à necessidade de limpeza. Mas foi tudo tão bem planejado que, mesmo assim, minimizei muito a mão de obra. Era um galinheiro dividido em duas áreas: aberta e fechada. Tudo bem arejado. Comedouros e bebedouros suspensos. Talvez ainda volte com algo assim, mas em menor escala.

Abraços!!!

Scant disse...

"treinar com peso livre " comece com cargas baixas: 3 kilos por exemplo para acostumar a mente e as articulações. depois de algumas semanas vá aumentando gradativamente os pesos

abs!

Blogue do Neófito disse...

Você pesquisa bastante sobre o assunto, obtêm bons resultados e, por isso, considero que sabe do que está falando. Darei atenção ao assunto. Mesmo assim, parece-me que as academias abrirão aqui. Procedendo esta informação, pretendo retornar aos treinos como antes. Abraços!!!

Scant disse...

essa dica sobre halteres foi baseada nesse vídeo (https://www.youtube.com/watch?v=uyezYCHv1tQ) e em outras leituras

máquinas parecem ser úteis para isolar/dar enfase a certos grupos musculares, mas a amplitude do movimento pode limitada (nenhuma máquina vai acompanhar a flexibilidade do movimento do corpo humano com perfeição)

outra ideia legal do vídeo é intercalar seus treinos com exercícios do "big 5" - cinco exercícios essenciais do fisiculturismo: https://staminaproducts.com/blog/beginners-big-five-weightlifting/

eles são difíceis e arriscados, por isso começar com pouco peso é importante: acostumar articulações e músculos: isso demora meses e anos. essa é a verdade chata que ninguém pode que ninguém quer vender

abs!

Blogue do Neófito disse...

"eles são difíceis e arriscados"

Para mim, quase tudo é. rs

Conferirei o vídeo!

Abraços!

Postar um comentário

O comentário aqui é anônimo e não moderado. Contudo, pense bem se vale a pena perder seu tempo postando alguma ofensa gratuita.